Dicas para viajar com seu cão a bordo

Foto:kayak.com.br

Se você está pensando em fazer uma viagem internacional com seu cachorro porque vai morar no exterior ou porque quer levar seu pet de férias, este post é pra você.

A minha amiga Tatiana Escosteguy, também jornalista, se mudou para Portugal há um ano e fez questão de levar seu cãozinho junto. Conversei com a Tati sobre isso e ela conta aqui como foi a experiência e também compartilha várias dicas para quem quer levar seu animal de estimação no avião.

Essa é a Tati e o famoso Dog

A Tati é apaixonada pelo Dog, esse é o nome do seu cachorro. Neste post ela conta como foi o processo e avisa que leva tempo preparar todos os documentos e detalhes antes da viagem, pelo menos uns três meses. Por isso se organizar bem vai ajudar a facilitar o processo.

Estes são todos os passos que ela teve que fazer antes do Dog embarcar para Lisboa:

1. Colocar um chip no cachorro;
2. Dar vacina antirrábica (mesmo que você já tenha dado antes de colocar o chip);
3. Fazer uma sorologia e esperar três meses pelo resultado negativo para raiva;
4. Visitar um veterinário e pedir um atestado de saúde;
5. Ir ao Ministério da Agricultura e pedir o Certificado Zoossanitário Internacional (CZI). Esse documento leva cerca de 30 dias para ficar pronto.

¨Portugal não exige que o cachorro fique em quarentena, mas alguns países pedem. Sempre tem que olhar bem os requisitos de cada destino. Alguns países também não aceitam a sorologia feita no Brasil. Nesses casos tem que mandar o sangue coletado para os Estados Unidos, o que deixa o processo mais caro¨, explica Tatiana.

PREPARANDO A VIAGEM
Como a Tati recebeu a proposta de trabalho em cima da hora e teve que se mudar rápido para Portugal, o Dog viajou alguns meses depois com a mãe dela.

Ela relembra como foram os dias antes da viagem. ¨Eu tive muito medo porque o Dog é um Lhasa Apso, quase um cão de focinho curto. Ele já tinha 10 anos e teria que ir no compartimento de carga porque pesa mais de 10 quilos¨, conta.

Para saber os detalhes de cada companhia aérea (peso máximo do cachorro, documentação, etc), leia este post.

O Dog curtindo a praia portuguesa

O veterinario do Brasil deu um remédio para baixar a ansiedade do pet durante a viagem, mas não pra ele dormir. Uma dica legal, a mãe da Tati deu o remédio para o Dog um dia em sua casa, para ter certeza de que o animal não teria problema no avião.

TRANSPORTE
Os cães devem viajar com uma plaquinha de identificação e devem ficar dentro do kennel (caixas de transporte) durante a viagem. O tamanho da caixa deve ser suficiente para o cachorro ficar de pé e poder girar em torno de si mesmo.

As caixas podem ser rígidas ou flexíveis. As rígidas são feitas de plástico e fibra e são as mais indicadas para quando o animal de estimação deve viajar no compartimento de carga.

Kennel rígido. Foto: clubeparacahorros

Enquanto as caixas flexíveis, feitas de espuma e tecido, são mais indicadas para as viagens em que o pet vai dentro da cabine do avião, embaixo da poltrona dianteira.

Kennel flexível. Foto: Gol

 

Cortesia: amoraospets.com

Estes são os requisitos da maioria das companhias aéreas para viajar com animais de estimação, que também vale para gatos:

* O animal deve ficar dentro de um kennel (caixa de transporte) confortável, onde possa se mover, mudar de posição, dar a volta em torno de si e virar para o lado;

* O kennel deve ter abertura para circulação de ar e trava extra que não possa ser aberta acidentalmente por dentro ou por fora;

* Para as viagens em avião, a caixa transportadora não pode ter rodinhas;

* O pet deve ficar dentro da caixa de transporte na sala de embarque, durante o voo e na sala de desembarque;

* Os animais não podem ser transportados nas fileiras que têm saída de emergência. A caixa deve ficar embaixo do assento da poltrona durante toda a viagem.

A Tatiana conta que o Dog passou por um treinamento durante uma semana inteira para se acostumar com a caixinha antes de voar para a Europa.

Outra coisa bacana é que no dia de partir a mãe da Tati colocou a camisola que ela usou à noite dentro da caixinha de transporte para o cachorro ¨sentir¨ a presença dela durante a viagem. Além disso, o Dog viajou com uma fralda dentro da caixa e algumas pessoas também colocam bebedores de água que ficam presos no kennel.

Apesar da tensão, a viagem foi perfeita e o cachorro aterrissou são e salvo. ¨Quando ele chegou em Lisboa, me viu e ficou maluco. Saiu correndo pelo aeroporto¨, lembra Tati.

Apesar do voo ter sido perfeito, ela acha muito estressante para o animal ficar tantas horas sozinho e sem contato com os donos. ¨Eu acho que se for uma viagem a passeio, só vale a pena se o cão for muito pequeno e puder ir no voo com você. Eu trouxe o Dog porque foi uma mudança pra cá, mas não pretendo levá-lo ao Brasil quando eu for de férias¨, avisa.

Se quiser saber mais, o site Amor aos Pets tem muitas dicas e detalhes sobre o assunto.

GASTOS
¨São vários os gastos para levar um cachorro no avião, principalmente em viagens internacionais¨, avisa Tati. Além das consultas veterinárias, das vacinas, do chip, do kennel e dos certificados, também tem que pagar o transporte de avião do animal de estimação.

Somando tudo, a Tatiana desembolsou cerca de R$2 mil para levar o Dog do Brasil até Portugal. Só o transporte pela companhia aérea foi R$900.

Quem quiser acompanhar as aventuras da Tati e do Dog em Portugal, pode segui-los no Instagram.

Você já viajou com seu cão ou gato de avião, tem alguma dúvida ou quer compartilhar a experiência com a gente? É só deixar um comentário aí embaixo!

Participe e deixe seu comentário.