Where are you from? Brasil!


Qual é a imagem do brasileiro no exterior? Eu amo ter nascido no Brasil e gosto mais ainda da reação das pessoas quando estou viajando e me perguntam de onde sou. Já aconteceu com você das pessoas abrirem um sorriso de orelha a orelha quando você diz que é brasileiro?

– Where are you from?
– I´m Brazilian.
– Wow! Really? That´s sooooo nice.

Comigo acontece sempreeeeee e eu até já me acostumei com essa reação positiva das pessoas. Eu me sinto orgulhosa, feliz e tranquila ao dizer que sou do Brasil. Se você ainda não reparou nisso, comece a prestar atenção quando você está com outros viajantes e cada um vai dizendo de onde é e como a cara das pessoas se transforma (positivamente) quando alguém diz que é do Brasil.

Tenho muitos motivos para tentar imaginar o motivo de nós brasileiros sermos tão queridos lá fora e acho que isso se deve primeiramente à nossa simpatia, à maneira que temos mais leve de levar a vida e ao nosso sorriso que costuma sair com facilidade. Sei que pode parecer clichê, mas brasileiro é alto astral!

Presentes e boas-vindas
Lembro de quando estive na Síria, antes da guerra, e entrei em uma loja de frutos secos em Damasco. O vendedor ficou encantado quando eu disse que era do Brasil.

O cara começou a falar o nome de todos os jogadores de futebol brasileiros que sabia, me mostrou uma bandeira verde amarela que tinha no escritório e como ele disse que eu era a primeira pessoa do Brasil que ele conhecia, me deu um pacote cheio de pistaches e nozes!

Fiz parte dessa viagem com um menino da Dinamarca e outro do Canadá. Os dois ficaram de boca aberta com o tratamento que eu recebi e brincaram dizendo que a partir daquele momento eles também diriam que eram do Brasil.

Quando estive no Irã em maio deste ano (2019), inúmeras vezes fui parada na rua porque as pessoas queriam saber de onde eu era e também porque o Irã ainda não é um destino muito turístico. A alegria e a reação positiva das pessoas quase sempre era a mesma. Mais de uma vez me disseram que eles amam o Brasil e que eu era a primeira brasileira que eles conheciam pessoalmente.

Compartilhando um jantar com uma família iraniana

Alguns pediam para tirar foto comigo e outros me perguntavam como era a vida no Brasil e diziam que o sonho deles é visitar o nosso país um dia.

Também lembro do dia em que fazia muito calor em Teerã e eu entrei em um bar pra tomar um sorvete. Como tava muito gostoso acabei pedindo outro. Quando eu estava quase terminando o segundo, um senhor baixinho de bigode e camisa cor pêssego entrou na loja e começou a conversar comigo.

Ele era armênio e ficou, literalmente, encantado ao saber que eu era brasileira. O senhorzinho estava tão feliz que fez questão de pagar o meu sorvete. Muito sem graça eu disse que não precisava, mesmo porque eu tinha tomado dois e mais um suco de laranja, mas não teve jeito. Ele fez questão de pagar a conta e quando foi embora me deu um aperto de mão e disse: I love your country!! (sem nunca ter pisado o Brasil)!

Mulheres for export
Só tem uma coisa que antes me incomodava bastante quando eu dizia que era brasileira. Quando morei em Londres da primeira vez, de 2001 a 2005, percebia que naquela época tinha muita associação de brasileiras com prostituição.

Aconteceu mais de uma vez de eu ver um sorriso ¨maroto¨ (acho que essa gíria é bem antiga, né?) no rosto de algum homem quando eu dizia que era brasileira. Houve uma época em que a associação brasileiras e prostituição era quase direta, infelizmente. Percebia que apenas por sorrir, alguns homens achavam que isso era quase um convite para transar! Helloooooo!!

Acredito que essa fama aconteceu por conta do turismo sexual for export, dos filmes pornôs, pelas nossas famosas danças de estilo rebolation com pouca roupa e também pelo erro da generalização.

Estou morando por uns meses em Londres de novo, agora em 2019, e felizmente sinto que isso mudou bastante. Realmente acho que a mulher brasileira agora é mais respeitada ou pelo menos os homens já não fazem mais comentários engraçadinhos ao respeito.

Carnaval, futebol e samba
Voltando aos pontos positivos: não tem jeito, quando estamos no exterior uma das primeiras palavras que alguém vai te dizer quando você falar que é brasileiro terá alguma referência com Carnaval, jogadores de futebol ou com o nosso amado samba.

Sambodrómo do Rio. Alegria não tem fim!

Esses são os nossos ¨produtos de exportação¨ mais famosos. Essa é a imagem que o Brasil tem lá fora. E vamos combinar uma coisa, é uma imagem excelente! Tem países que são associados com tráfico de droga, com crises econômicas, com governos corruptos, etc. Não que a gente não tenha tudo isso no Brasil também, mas por sorte a nossa imagem lá fora ainda é muito positiva.

De certa forma, eu acho que essa imagem também é um certo estereótipo de que o Brasil é só isso: samba, futebol e Carnaval. Por isso, acho sempre importante falar de outras coisas e contar algo mais sobre o Brasil quando algum estrangeiro se interessa pela nossa cultura.

Este ano em Londres estava participando em um piquenique no Kensington Gardens com um grupo do Internations e tinha gente de vários países. Daí alguém sugeriu fazer um jogo para que cada um contasse algo diferente sobre a sua nação, mas tinha que ser algo realmente diferente, que pouca gente soubesse.

O belo Kensington Gardens

Fiquei pensando por alguns minutos e decidi falar sobre o número de japoneses que vivem no Brasil. Para nós talvez isso não seja uma novidade, mas para um estrangeiro saber que no Brasil vive a maior comunidade de japoneses (fora do Japão) é um fato bem curioso.

Aí é que também entra o nosso papel de ¨embaixador¨ do Brasil, para contar aos estrangeiros que o nosso país é muito mais rico em diversos aspectos. 

Embaixadores do nosso país
Tudo isso me fez refletir na importância que cada um de nós têm quando viajamos e no peso que, de certa maneira, levamos nas costas ao representar uma nação inteira.

Pensa comigo, imagina que eu fui a primeira e a única brasileira que esse cara da Síria encontrou na sua vida e que se eu não tivesse sido simpática com ele ou parado para conversar um pouco, ele poderia pensar que todos os brasileiros somos rudes e antipáticos.

Uma vez um amigo estava no Egito e se encantou por um vaso de mármore, mas tinha deixado a carteira no hotel. Depois de negociar, o vendedor fez questão de dizer para o meu amigo que ele podia levar o vaso e que passasse no dia seguinte para pagar.

E foi isso que o meu amigo fez. Levou o vaso pro hotel e no dia seguinte voltou lá e pagou o vendedor. Imagina se ele tivesse levado o vaso de graça e não tivesse cumprido o acordo. Eu acho que o vendedor poderia pensar que todos os brasileiros são picaretas e querem levar vantagem, etc.

Várias nacionalidades juntas fazendo um voluntariado num campo de refugiados

É por essas e outras que eu penso que a gente é sim uma espécie de embaixador do nosso país quando estamos viajando.

E você, já sentiu na pele algo de tudo isso que compartilhei neste post, da reação positiva das pessoas quando encontram alguém do Brasil ou de como é importante cuidar como a gente se comporta no exterior? Compartilha aqui embaixo conosco. Vou adorar saber!

4 Comments

  • Que legal, Isabela. É bem isso mesmo, parece que quando moramos fora temos mais orgulho e necessidade de falar do Brasil, né? 🙂 Um abraço!

  • Adorei seu post e me identifico muito com suas palavras! Complemento dizendo que geralmente nos tornamos muito mais patriotas quando vivemos em outro país…. e é isso que acontece comigo vivendo na Argentina!

  • Obrigada pelo comentário, Ester. Exatamente como você conta, eu também já passei por isso e concordo 100% com você. Mas também sinto que, por sorte, essa associação com as mulheres brasileiras, está mudando!!

  • Eu também desfruto desse prazer de ser brasileira e de receber sorrisos maravilhosos como retorno quando digo de onde vim. Mas também já tive o desprazer de observar que havia uma má associação da mulher brasileira, o que exige de nós um comportamento mais cuidadoso. Sim, somos embaixadores do nosso país e devemos representa-lo com orgulho e zelo.

Participe e deixe seu comentário.