O que fazer em Mascate, capital de Omã

A Corniche de Mascate é um lugar lindo 

Visitar a capital de Omã foi uma das melhores surpresas durante a viagem que fiz pelo Oriente Médio. Esqueça a opulência e os exageros de Dubai. Em Mascate tudo é muito autêntico e as belezas são naturais.

Se você acha meio estranho Mascate em português, em inglês é Muscat. Eu cheguei a Omã em uma viagem de cruzeiro, que antes passou por Dubai e Abu Dhabi. Depois de tantos arranha-céus e shoppings, eu queria mesmo era ver algo mais autêntico e finalmente encontrei isso quando pisei em Omã.

Para saber um pouco mais, esse pequeno país de 4,6 milhões de habitantes fica na Península Arábica. Omã faz fronteira com os Emirados Árabes Unidos, Iêmen e a Arábia Saudita.

A população local é árabe de maioria muçulmana. Eu achei os omanis bem simpáticos e muito orgulhosos de compartilhar sua cidade com os turistas.

Realmente o que mais gostei de Mascate é que não vi uma orda de visitantes por lá. Esse país ainda guarda esse lado autêntico, diria romântico, de uma vida simples e de quase nada ser feito para ostentar ou para agradar os turistas.

     

Eu passei um dia inteiro em Mascate, mas não dormi lá porque em viagem de cruzeiro, geralmente se passa um dia em cada destino e a noite em alto- mar. Neste post quero compartilhar os lugares que visitamos com a minha mãe, grande companheira de viagem, e o que mais gostei da capital de Omã.

Quando a gente desceu do barco, contratamos no desembarque mesmo um taxista que nos levou para fazer um tour de 4 horas. Estes são os lugares pelos quais passamos.

O que visitar em Mascate

Grande Mesquita do Sultão Qaboos

Assim como quase todas as mesquitas, essa é mais uma incrível construção. O lustre colorido e o tapete interior ganham todos os olhares. O tapete dessa mesquita foi feito por 600 mulheres e demorou 4 anos para ficar pronto, gente!!

Um detalhe importante, nessa mesquita eles não emprestam o abaya (o vestido longo utilizado pelas mulheres muçulmanas). Para entrar nas mesquitas, as mulheres devem estar com o corpo quase todo coberto (braços, pernas e cabelo).

Na mesquita de Mascate eles alugam a vestimenta na porta por 5 euros. A gente conseguiu mais barato com o nosso taxista que acabou falando com outro motorista que tinha vários abayas no carro para alugar, é claro.

Eu e mamis com nossos abayas
Eu e o simpático taxista

Eu até pedi para o simpático taxista me emprestar a túnica branca dele, mas ele apenas se matou de rir. A gente alugou a nossa roupa por 3,5 euros, cada uma. E o meu era super colorido, adorei o desconto e as cores! De qualquer maneira, para não ter que pagar é só ficar esperto e levar a roupa dentro de uma mochila (uma blusa de manga comprida, um lenço para a cabeça e uma calça longa) e colocar antes de entrar.

Aqui tem um post completo para ler antes de visitar uma mesquita.

Palácio Al Alam do Sultão Qaboos
A seguinte parada foi no palácio. Um belo jardim florido nos deram as boas-vindas. Esse palácio azul e amarelo de formato peculiar fica atrás de um portão imenso e os visitantes só podem tirar fotos do lado de fora mesmo.


Uma curiosidade, em Omã é possível encontrar fortes portugueses! É que durante 146 anos, a maior base militar portuguesa em território islâmico e a última a cair em toda a Arábia, ficava em Mascate. Esse forte português fica perto do palácio, de frente para o mar.

Royal Opera House
Esse é outro edifício que visitamos por fora, mas não pagamos para entrar e fazer um pequeno tour de 1h. O interior é bonito e todo pomposo.

O taxista também nos levou para ver a biblioteca do Opera House onde encontrei algumas pessoas lendo o alcorão.

Marina 
Um dos lugares que mais gostei de ter visitado foi a marina. Bom, mais do que o lugar em si, gostei muito do caminho.

Mascate é toda montanhosa e ver o contraste das construções com o descampado de areia e montanhas foi lindo. E a melhor parte ainda estava por chegar. Como minha mãe queria ir ao banheiro, o taxista nos levou a um hotel chiqueteteterrimo, passando a marinha.

Sabe esses hotéis de filmes árabes, esses lugares que você acha que só existem em contos de fada? Tem vários desse estilo na costa (a 20 minutos de carro do centro). Nessa região vi vários hotéis e resorts luxuosos. Para falar a verdade, essa foi a única parte de Mascate que destoou do tradicional. Mas seja como for, são um desbunde!!

Não é lindo?

Se dinheiro não for o problema, reserve uma noite em um desses resorts (que custam cerca de US$250 a noite) e relaxe que a vida é curta!! Eu acho que o nome desse hotel que visitamos é Barr al Tissah Resort, mas não tenho certeza.

Souk Mutrah
A última parada do tour foi no souk. O motorista nos deixou lá e foi só alegria!! Eu sou apaixonada pelos mercados árabes e turcos. Adoro essa mistura de aromas, vendedores gritando e gente circulando pelos corredores apertados. Gosto de ver a vida local e de traçar paralelos com esse tipo de comércio e com a nossa maneira tão aburguesada e comportodinha de fazer compras em grandes shoppings, onde o chão brilha e o ar condicionado acompanha.

Em países árabes, eu consigo sentir a vibração das cidades só de passear pelos seus mercados, chamados de souks. Centenas de lojinhas, em ruas estreitas e produtos tão diferentes fizeram meus olhos brilhar a cada segundo. Além de temperos, frutas secos (que eu amo), nesse souk encontrei roupas e gorros coloridos tradicionais, perfumes, tecidos, facas, bijouterias, incensos, jogos de chá, cerâmicas coloridas (que sou apaixonada) e muitas, muitas outras coisas.

A única coisa que não curto do mundo árabe é a pechincha, detesto! Você pergunta o preço, os vendedores te falam e depois de meia hora de toma lá da cá, você muitas vezes termina pagando menos da metade do que pediram no começo. Eu me pergunto se não seria muito mais fácil dizer o preço final e real logo de cara? Parece que barganhar faz mesmo parte da cultura islâmica e os vendedores adoram esse jogo chato.

Seja como for, a moeda de Omã é bem forte, vale 2,5 mais do que o dólar (ó céus!!). Por isso, a única coisa que acabei comprando lá foi um pacote de pistaches hahaha. Estavam deliciosos e duraram a viagem toda!!

Dica, super recomendo deixar o souk por último e reservar pelo menos duas horas para passear por ali. Mesmo que você não queira comprar nada, é muito divertido caminhar pelos seus corredores antigos e olhar com detalhe todos os produtos. Caminhe também pelos corredores laterais da rua. Achei que ali os locais fazem suas compras. Na parte central fiquei com a sensação que era mais para turistas mesmo.

Esse é o mercado das ruas laterais

Também reserve um tempo para passear pela Corniche (calçadão) e ver como os locais se divertem jogando pão para as gaivotas, enquanto famílias inteiras caminham por lá.

Sobre segurança, achei muito tranquilo caminhar por Mascate. Em muitos momentos do dia fiquei passeando sozinha e não tive problema algum.

Depois de ler este texto você deve ter percebido que eu adorei visitar Mascate. Por isso, super hiper recomendo a visita a Omã, se você estiver pela região.

2 Comments

  • Olá. Eu entrei com meu passaporte italiano e o visto foi feito diretamente no cruzeiro. Se esse for o seu caso, não precisa se preocupar que eles providenciam tudo e você só tem que pagar as taxas, dependendo da sua cidadania. Mas vale conferir antes da viagem com o navio.

Participe e deixe seu comentário.