Turismo colaborativo, como viajar gastando pouco

A maneira de conhecer o mundo está mudando e se a gente pode viajar gastando menos, melhor ainda!! Além de economizar, a vantagem de usar sites e aplicativos de turismo colaborativo são muitas: conhecer mais a fundo uma cultura, fazer novos amigos e conhecer um destino de uma maneira diferente.

Hoje em dia é possível ficar hospedado no apartamento de um local no Canadá, conhecer pessoas numa aula de tango em Buenos Aires ou jantar com anfitriões japoneses na casa deles. Eu não disse que a maneira de viajar poderia ser diferente?

Quando falamos em fazer turismo, a moeda de troca já não precisa ser só dinheiro, gente. Existem outras coisas que estão em jogo como a colaboração, uma companhia e um intercâmbio onde as duas partes saem ganhando.

Vou compartilhar vários sites, aplicativos e plataformas que colocam em contato essas duas partes; quem está procurando ajuda, companhia, serviços, etc, com viajantes que querem conhecer outros países de uma maneira diferente e gastando menos. Vamos lá!!

Alojamento grátis
Um dos mais famosos é o CouchSurfing que oferece estadia na casa de locais sem ter que pagar nada. Eu utilizei o CS durante muuuuitos anos e sou apaixonada por esse sistema. Meu primeiro host (anfitrião) foi o Paul em Nova York e somos amigos até hoje.

Eu e o Paul em NY

O CS permite conhecer pessoas que obviamente têm uma mentalidade diferente porque abrem a porta das suas casas para receber viajantes desconhecidos. O segredo desse site, na minha opinião, é que um dia você dorme na casa de alguém e quando você está na sua cidade, também oferece um espaço para outros viajantes. É uma troca, literalmente, sem dinheiro no meio.

Você não paga para dormir na casa de outra pessoa e o seu anfitrião oferece um espaço em troca de companhia, uma nova amizade ou simplesmente porque ainda tem muitas pessoas de bom coração no mundo!!

Outra opção para conseguir alojamento gratuito é o house sitting (cuidar da casa de alguém). Neste tipo de troca, os donos da casa viajam e o turista é quem toma conta do lugar. A maioria desses sites cobra uma taxa dos viajantes para fazer a inscrição. Depois disso é só escolher o destino e entrar em contato direto com os donos dos imóveis. Estas são algumas opções Mind my house, House Carers, Guest to guest, Intercambio casas e este outro para casas de luxo, Luxury house sitting

A Larissa e o Carlos, do Blog Vida Cigana, tem um post super completo onde contam sobre a experiência deles cuidando de casas na Nova Zelândia.

O Carlos e a Larissa, do Blog Vida Cigana

E para quem gosta de animais de estimação, existem as opções de pet sitters. Nessa modalidade, além de cuidar da casa também é preciso tomar conta dos animais que vivem lá. Essa é uma vantagem para quem viaja e não pode ou não quer levar seu cão ou gato junto e consegue alguém que faz um 2×1: cuidar da casa e do animalzinho!! Duas opções, Trusted House Sitters e House Sitters America.

Caronas pelo mundo
Outra coisa que está mudando a maneira de deslocamento entre cidades ou países são os sites de compartilhamento de carros. O mais famoso hoje em dia é o Bla Bla Car, um dos precursores desse sistema.

Foto: divulgação Bla Bla Car

Nesse site você encontra pessoas que estão viajando e têm lugares vazios em seus carros. Aqui a troca envolve dinheiro, mas geralmente é uma quantia menor daquela cobrada por uma empresa de ônibus, por exemplo. Além disso, muitas vezes é mais confortável e rápido viajar de carro.

Eu já usei o Bla Bla Car para ir e voltar de Curitiba a Florianópolis e adorei a experiência. O motorista veio me buscar na porta de casa, era super bacana e dirigiu muito bem. A vantagem desse site é que ele funciona em vários países do mundo.

Na Argentina, onde moro atualmente, um site de carona super bom é o Carpoolear, que também já utilizei e só tenho elogios, mas ele funciona basicamente só na Argentina.

Segurança
Eu sei que você deve estar pensando que tudo isso é muito legal, mas não é perigoso se hospedar na casa de um desconhecido ou pegar carona com alguém que nunca viu na vida?

Sim, gente, nada é 100% seguro, existe risco… Por isso esse tipo de plataformas funcionam com o sistema de referências, algo que hoje se usa muito no mundo virtual. A reputação das pessoas são avaliadas e medidas através da opinião de outros usuários que já testaram os serviços ou ficaram hospedados com esses anfitriões.

Meus conselhos:
– Leia TODAS as referências antes de aceitar ou fechar qualquer negócio;

– Depois que o acerto for feito, é super IMPORTANTE passar os dados de contato da pessoa onde você vai ficar hospedado ou vai pegar carona para uma pessoa de confiança sua;

– No final da experiência é muito importante deixar uma REFERÊNCIA de avaliação para que outras pessoas também possam saber como foi a sua experiência.

Tudo isso ajuda a alimentar esse sistema de credibilidade e segurança na área do turismo colaborativo.

Passeios e tours

Imagina que você vai ficar poucos dias em Berlim e quer conhecer os pontos turísticos dessa incrível cidade, gostaria de saber um pouco mais da história dela, mas não tem muito dinheiro para pagar um tour.

Você já ouviu falar dos free walking tours (passeios guiados gratuitos)? Existem várias empresas que fazem isso e olha que algumas são excelentes. Eu fiz um justamente em Berlim e foi incrível. Caminhamos pelo centro com um grupo de umas 20 pessoas, durante 2h, e recebi muita informação que me fez entender o passado e analisar de outra maneira até mesmo a arquitetura dessa cidade alemã.

muro de Berlim
Com chuva curtindo Berlim

Nesse tipo de evento não tem um valor fixo para o passeio. Você paga o que quiser no final, se quiser. As pessoas podem até ir embora sem pagar nada, afinal de contas o próprio nome já diz que é free. Mas como os guias costumam ser muito bons, é quase impossível não dar nada no final.

As vantagens dos free walking tours é que você não precisa fazer reserva, aparece no ponto marcado e pronto. E se você gostou, paga o que achar que vale!!

Existem várias empresas que fazem esses famosos tours a pé. A New Europe Tours tem em 19 cidades, principalmente na Europa. A Global Free Tours  oferece seus serviços em algumas cidades da América do Sul, como Buenos Aires, Santiago do Chile e Montevidéu, por exemplo.

Comendo fora e novos amigos

Para conhecer pessoas quando você está viajando, uma plataforma bem bacana é o Meet up. Ali tem grupos que promovem atividades artísticas, esportivas, culturais e todo tipo de encontro que você imaginar. A maioria é gratuita e você só precisa estar cadastrado no site e escolher a cidade onde quer participar. Eu já usei algumas vezes em Buenos Aires e acho super interessante.

E se você é um viajante que adora comer, como eu, tem alguns sites que juntam comilões com anfitriões que abrem as portas das suas casas (esse serviço é pago). O CookApp funciona em algumas cidades da América Latina, Europa e Estados Unidos. Outra opção do mesmo tipo é o Meal Sharing.

No caso das refeições na casa de outras pessoas, algumas vezes o preço não é mais econômico do que comer em um restaurante, mas as vantagens que vejo são que a atenção é mais personalizada porque os lugares costumam ser para poucas pessoas, você pode dividir a mesa com outros viajantes e provar pratos diferentes.

E você, já experimentou ou conhece outros sites de turismo colaborativo e quer compartilhar a sua experiência com a gente? É só deixar um comentário aí embaixo!!

1 Comment

Participe e deixe seu comentário.